Fale Conosco

Notícias

Ações da Americanas (AMER3) fecham em alta de 16,8% com notícias de acordo próximo com credores; varejista se pronuncia

As ações da Americanas chegaram a disparar quase 19% nesta terça-feira (21) e fecharam perto das máximas, em meio a expectativas de um acordo da varejista em recuperação judicial com bancos credores, embora a companhia tenha afirmado que não é possível dar um prazo para um potencial acerto.

Reportagens na mídia relataram que as negociações da varejista em recuperação judicial evoluíram e que a Americanas e seus bancos credores estão nos trâmites finais para a assinatura de um acordo.

De acordo com a reportagem do Valor Econômico, há reuniões marcadas e existe uma expectativa de que a assinatura ocorra, no máximo, até a sexta-feira. A Folha de S.Paulo afirmou que há expectativa de que o acordo seja fechado ainda nesta terça-feira.

No entanto, a Americanas disse nesta tarde que, até o momento, os termos finais do plano de recuperação judicial ainda estão em negociação e não é possível precisar se ou quando as negociações serão concluídas, conforme comunicado ao mercado.

Os papéis da companhia valorizaram-se 16,83%, a R$ 1,18, tendo chegado a R$ 1,20 (+18,81%) na máxima, engatando a quarta alta seguida. As ações mostraram pouca alteração após o comunicado da Americanas.

Na semana passada, na ocasião da divulgação de seus balanços de 2021 e 2022, executivos da Americanas afirmaram esperar uma aprovação de credores para o plano de recuperação judicial até o final do ano.

A varejista pediu neste mês ao juízo da recuperação judicial a convocação de assembleia de credores para 19 de dezembro para votação do plano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia também:

XP Investimentos

Abra a sua conta e ganhe uma mochila XP Aston Martin

Confira os 4 passos para garantir os seus itens

EU QUERO

Cabe destacar que, desde que a varejista divulgou seus resultados, no dia 16 de novembro de manhã, as ações já saltaram 47,55%.

Os números de 2021 e 2022

Na semana passada, após uma série de adiamentos, a companhia revisou o seu lucro líquido de R$ 544 milhões registrado em 2021 para prejuízo de R$ 6,2 bilhões. A empresa também calculou em R$ 12,9 bilhões o resultado negativo de 2022.

Apesar da forte revisão para baixo, a divulgação dos números foi vista como importante para que os principais credores da Americanas – que incluem bancos – possam dar andamento às discussões para aprovação do plano de recuperação judicial da companhia.

A companhia ainda divulgou projeções para 2025 levando em conta uma eventual aprovação do plano de recuperação judicial atualmente sendo negociado com os principais credores da empresa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo a Americanas, a expectativa é de Ebitda de mais de R$ 2,2 bilhões em 2025, com uma alavancagem medida pela relação dívida líquida/Ebitda menor de 0,75 vez.

A empresa afirmou que o plano “estratégico” de recuperação da empresa é focado “na fortaleza e resiliência do canal físico, complementado pela excelência operacional do digital”, de maneira semelhante como rivais como Casas Bahia (BHIA3) e Magazine Luiza (MGLU3), que estão centrando esforços já há alguns anos em complementar operações de lojas físicas com eficiências geradas por operações online.

A Americanas também afirmou que o plano será complementado por um “portfólio de serviços financeiros customizados da (fintech) Ame e pela diversidade de mídia de nossa área de ‘advertising’ para gerar um pacote consistente de entregas a nossos clientes e parceiros”, também de maneira semelhante com esforços de rivais.

Sobre o balanço em si, na visão do estrategista Filipe Villegas, da Genial Investimentos, a divulgação “acaba, entre aspas, sendo ‘positivo’”, pois o mercado consegue fazer conta. “Por mais que isso aqui tenha sido péssimo, muito ruim, eu vejo que o mercado, se quiser, pode olhar o copo meio cheio no sentido de que eu já sei o tamanho do buraco, já sei o tamanho do prejuízo e agora, daqui para a frente, qual é o tamanho do desafio”, afirmou após a divulgação dos resultados.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *