Fale Conosco

Notícias

anomalia magnética não causou enchentes no Sul do Brasil

ESA/DIVULGAÇÃO

A chamada Anomalia Magnética do Atlântico Sul não tem impacto na chuva extrema com inundações sem precedentes no Rio Grande do Sul, ao contrário do sugerido em dezenas de publicações na internet por pessoas sem identificação alguma com ciência ou estudos que permitam a afirmação.

Descobertas recentes em estudos de grandes universidades do mundo trouxeram novas informações sobre a chamada Anomalia Magnética do Atlântico Sul e que alcança uma grande área da América do Sul, incluindo parte do Brasil, sobretudo a Região Sul.

Houve um crescente interesse da ciência pelo tema nos últimos anos, o que levou a novos trabalhos sobre a anomalia no campo magnético da Terra. O comportamento estranho do campo magnético da Terra sobre a região do Atlântico Sul pode ser rastreado até 11 milhões de anos atrás, e é improvável que cause qualquer reversão iminente do campo magnético da Terra, mostrou um estudo publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences.

A Anomalia do Atlântico Sul é um ponto fraco no campo magnético da Terra, que protege o planeta de altas doses de vento solar e radiação cósmica. Esta anomalia existe porque o cinturão de radiação de Van Allen interno da Terra se aproxima mais da superfície do planeta, causando um aumento do fluxo de partículas energéticas.

Por sua vez, a anomalia também causa perturbações técnicas em satélites e naves espaciais que orbitam a Terra. Pesquisadores da Universidade de Liverpool, na Inglaterra, estudaram rochas ígneas ou vulcânicas da ilha de Santa Helena, que fica na anomalia do Atlântico Sul.

Os registros do campo magnético da Terra estão preservados em rochas ígneas, oferecendo uma visão detalhada da história magnética do planeta. “Nosso estudo fornece a primeira análise de longo prazo do campo magnético nesta região que remonta a milhões de anos”, disse Yael Engbers, principal autor do estudo, em comunicado. “Isso revela que a anomalia no campo magnético no Atlântico Sul não é isolada, anomalias semelhantes existiam há 8 a 11 milhões de anos”.

Outro estudo recente descartou risco na aviação comercial. A Anomalia Magnética do Atlântico Sul provoca níveis significativamente aumentados de radiação ionizante e impactos relacionados em espaçonaves em órbita baixa da Terra, como um aumento correspondente na exposição à radiação de astronautas e componentes eletrônicos na Estação Espacial Internacional.

De acordo com uma lenda urbana, a anomalia também seria supostamente capaz de afetar o campo de radiação na atmosfera, chegando até as altitudes da aviação civil. Para identificar e quantificar quaisquer contribuições adicionais para a onipresente exposição à radiação em altitudes de voo, foram realizadas medições abrangentes atravessando a região geográfica da anomalia a uma altitude de 13 km em uma missão de voo única chamada “Atlantic Kiss”.

De acordo com estudo publicado na prestigiada revista científica Nature, durante o voo da pesquisa não foi encontrada nenhuma indicação de aumento na exposição à radiação, assim a anomalia não expõe nem passageiros nem tripulantes de voos comerciais no Brasil, América do Sul ou Atlântico Sul a maiores índices de radiação cósmica.

“É espantoso que bobagens relacionando a anomalia magnética à enchente se espalhem na internet”, comenta a meteorologista Estael Sias. “Trata-se de uma anomalia que atua por milhões e milhões de anos, em que já houve incontáveis enchentes e secas no Sul do Brasil”, diz. “Por que a anomalia que é enorme só provocaria chuva extrema no Rio Grande do Sul enquanto algumas outras áreas cobertas por ela registram déficit de chuva”, indaga.

A MetSul Meteorologia enfatiza nos máximos termos que o evento de chuva extrema no Rio Grande do Sul com enchentes sem precedentes tem origem exclusivamente no clima com componentes de variabilidade natural, como El Niño até meados deste mês, e mudanças climáticas que favoreceram bloqueio atmosférico persistente e superaquecimento do Atlântico.

A MetSul Meteorologia está nos canais do WhatsApp. Inscreva-se aqui para ter acesso ao canal no aplicativo de mensagens e receber as previsões, alertas e informações sobre o que de mais importante ocorre no tempo e clima do Brasil e no mundo, com dados e informações exclusivos do nosso time de meteorologistas.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *