Fale Conosco

Notícias

Antônio Campos acena para bandeira da paz com família de Eduardo e elogia João  – Blog do Magno

O senador falou que era impossível o PP “fazer o L”, mas o partido entrou no governo. André Fufuca, um fiel escudeiro do dirigente partidário, virou ministro do Esporte, firmando os tentáculos do grupo na gestão petista. Até a sede da legenda no Maranhão, que Fufuca preside, tem a cor vermelha nas peças de divulgação. O partido também emplacou o presidente da Caixa, Carlos Vieira, no cargo.

Toda a situação mostra como o senador migrou do papel de influente chefe da Casa Civil de Jair Bolsonaro, mandando e desmandando do orçamento secreto, para uma oposição a Lula que mantém tentáculos na base aliada.

Com o PP no governo e o presidente da sigla fazendo discurso de opositor, parlamentares do partido estão livres para negociar com o governo conforme o ritmo das negociações. Falar que não é base automática faz parte do jogo. Pois, dessa forma, podem pedir cargos e verbas sempre que Lula quiser aprovar algo e se afastar para não colarem sua imagem no governo. É uma posição confortável para a legenda, reinventando o papel do Centrão, que sempre foi governista em gestões anteriores.

O ex-ministro de Bolsonaro continua dando cartas em Brasília. Ele tem o comando do PP, que tem a presidência da Câmara e a liderança da minoria no Senado. O senador é um dos líderes que articula a sucessão das duas casas legislativas, no próximo ano. Além disso, passou a ter forte influência no governo de São Paulo, maior colégio eleitoral do País, compondo a cúpula de articulação política da gestão Tarcísio Freitas (Republicanos). Equilibrando-se nesses campos, Ciro tem sido chamado nos bastidores de “presidente administrativo” do País.

O parlamentar deu o apoio e o voto para aprovação da reforma tributária no Senado. Da mesma forma, não fez oposição às indicações de Flávio Dino para o Supremo Tribunal Federal (STF) e de Paulo Gonet para a Procuradoria-Geral da República, apesar de não ter revelado seu voto. Elaborou ainda uma cartilha de projetos que o partido vai apoiar. Quando vai ao Twitter ou a uma entrevista, a regra é falar mal do “governo do PT”, e menos de “Lula” diretamente. “O Lula gosta de mim, não é uma coisa política, e eu confio nele. Uma pessoa para não gostar do Lula é difícil. Ele é cativante, mas não posso trair o presidente Bolsonaro”, afirmou Ciro Nogueira ao Estadão.

O abraço em Lula provocou preocupação em Ciro Nogueira. Ele chegou a agradecer a interlocutores por nenhuma imagem do momento ter sido divulgada – até agora. O parlamentar é constantemente levado a renovar sua aliança com Bolsonaro. No dia seguinte ao abraço, falou à Coluna do Estadão, justificou que foi um gesto entre “duas pessoas civilizadas” e negou a possibilidade de se aproximar do petista. “Chance zero”, afirmou. No mesmo dia, disparou em grupos de mensagem e nas redes mais um episódio do “Cirocast”, sua série de vídeos com falas contra a gestão petista.

Já no dia 4 de janeiro, o parlamentar publicou um vídeo nas redes sociais jurando fidelidade eterna ao ex-presidente Bolsonaro, até seus “últimos dias na política”. “Minha relação com o Bolsonaro é como se fosse um casamento. Casamento você diverge, você discorda, mas nunca vai acontecer o divórcio”, afirmou.

Na avaliação de Ciro, o presidente Lula “graças a Deus” comete o mesmo erro de Bolsonaro ao falar com seu próprio público. A exceção foi o discurso do petista no Natal, bem escrito e formulado, na opinião do senador. Não faltam elogios para o governo: a escolha por Ricardo Lewandowski para o Ministério da Justiça e Segurança Pública e as “boas intenções” do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na condução da política econômica. Mas também sobram críticas: frustração do eleitor que esperava picanha e cerveja no primeiro ano de governo, falta de grandes obras começadas e entregues e o descaso com a segurança pública.

Com a eleição para o comando do Congresso no radar, Ciro trabalha ao lado do atual presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para fazer o sucessor na Casa. Até então, o escolhido é Elmar Nascimento (União-BA). O deputado baiano, no entanto, tem fortes atritos com o PT e encontra dificuldades para receber o apoio do governo na disputa. Hoje, é tratado como um candidato com validade, que aumentará o preço para ceder apoio a outro deputado na disputa.

O plano “B” de Lira – e do próprio Ciro – para o comando da Câmara passou a ser o deputado Marcos Pereira (SP), presidente nacional do Republicanos e atual vice-presidente da Casa. Para consolidar a articulação, o PP de Ciro deve oficializar uma federação com o Republicanos, o que também abriria caminho para alianças nas eleições municipais e nas próximas eleições presidenciais. O bloco pode atrair também o União Brasil, formando uma “super federação”. Aí entra a candidatura do senador Davi Alcolumbre (União-AP) a presidente Senado, apoiado por Ciro, completando o acordo das três legendas.

No último dia 8 de janeiro, os líderes desses três partidos se ausentaram do ato convocado por Lula para marcar um ano dos ataques golpistas aos Três Poderes. Foi um forte recado para o petista, sinalizando que as articulações políticas em Brasília serão encabeçadas pelo grupo, sem adesão automática aos planos do Palácio do Planalto.

Ciro Nogueira quer ser vice de Tarcísio em 2026

Torcedor do São Paulo Futebol Clube, o território paulista também passou a fazer parte da cartilha de influência política de Ciro Nogueira – e com prioridade. Ele montou uma espécie de gabinete virtual no Palácio dos Bandeirantes, com acesso livre ao governador Tarcísio de Freitas (Republicanos). A última cartada foi filiar o secretário da Casa Civil do Estado, Arthur Lima, no PP.

Sob influência de Ciro, Lima passou a dividir o poder de negociar emendas e cargos com o secretário de Governo da gestão paulista, Gilberto Kassab, presidente do PSD. Os dois disputam a filiação de prefeitos órfãos do PSDB em São Paulo e, por enquanto, Kassab saiu na frente, com 329 prefeituras. A meta de Ciro é chegar a 80 prefeitos filiados nas eleições de outubro no Estado – desde 2020, o número subiu de 28 para 46.

Outro sonho de Ciro é filiar o governador no PP. O senador passou a defender a candidatura de Tarcísio à Presidência em 2026, diante da decisão que deixou Bolsonaro inelegível. O parlamentar fala até em ser candidato a vice na chapa. Ele disse ao Estadão que esse é o seu objetivo, mas pondera: “sou péssimo em prever meu futuro”. Ter um vice nordestino é uma estratégia vista como positiva para diminuir a distância com o PT na região. A ideia, no entanto, esbarra em Tarcísio, que vê vantagem em tentar a reeleição ao governo do Estado.

A dúvida volta a ser quem será o candidato da oposição à Presidência em 2026, com Bolsonaro inelegível. Ciro Nogueira sabe que não há vácuo na política e colocou a senadora Tereza Cristina (PP-MS) para presidir um instituto do partido em São Paulo. Tereza terá a função de articular estudos, propostas políticas e “passar o chapéu” entre empresários para arrecadar fundos para a entidade. E também virou pré-candidata a presidente da República, uma carta a mais na manga da oposição.

Mas, antes de tudo isso, o parlamentar precisa organizar o próprio futuro político no Piauí, seu reduto eleitoral. O mandato como senador acaba em 2027. Os outros dois senadores do Estado, Marcelo Castro (MDB) e Wellington Dias, este último licenciado para ser ministro do governo, estão com Lula. O governador Rafael Fonteles (PT) é uma das promessas da nova geração petista e também faz parte da base de apoio do presidente. Ciro esteve junto com todos eles no passado, no mesmo grupo político, mas agora está isolado, fazendo uma política própria com prefeitos. Sem o apoio de Lula, fica mais difícil ser eleito no Piauí. Mas nada que uma conversa de três minutos não resolva.

Leia menos

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *