Fale Conosco

Notícias

Como López Obrador construiu a maior máquina política do México

Bloomberg Opinion — “A autoridade moral, a autoridade política, está acima da lei”, afirmou o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador há alguns meses, justificando sua decisão de expor um repórter que escreveu algo de que ele não gostou.

A declaração mostra como o líder entende o poder: o presidente construiu a máquina política mais influente desde os dias em que o Partido Revolucionário Institucional (PRI) do México monopolizou a política no século passado. Em sua opinião, nada, nem mesmo a lei, deveria estar em posição de desafiá-la.

Em apenas uma década, o partido Morena, de López Obrador, passou de um novo movimento de esquerda para alcançar a maioria em ambas as câmaras do Congresso, e seus aliados governam a maioria dos estados mexicanos. Agora o partido está em posição privilegiada para vencer as eleições gerais deste domingo (2) e manter a presidência por mais seis anos.

Para o bem ou para o mal, esse será o principal legado de López Obrador após a votação. Embora muita coisa ainda possa acontecer no domingo, López Obrador já venceu em mais de um aspecto: as ideias políticas do líder de 70 anos e seu movimento permanecerão muito vivos no México e, provavelmente, por décadas, se sua protegida Claudia Sheinbaum se tornar a próxima presidente, como esperado.

Desde a intervenção do Estado na economia até a submissão das decisões econômicas e comerciais aos ditames políticos, López Obrador reverteu parcialmente a restauração tecnocrática que o México experimentou desde a década de 1980.

Mesmo que a candidata da oposição, Xóchitl Gálvez, consiga uma virada, será difícil para ela voltar atrás. E a mais simbólica das estratégias vencedoras de López Obrador foi dar visibilidade aos mexicanos pobres por meio da expansão de programas sociais, transferências de dinheiro e aumentos significativos no salário mínimo (110% em termos reais até agora em sua presidência).

As promessas de campanha da oposição para melhorar, em vez de eliminar, esses programas sociais atestam sua popularidade e seu valor político.

Leia mais: Eleições no México: o que pode afetar os mercados, segundo gestores e economistas

Gráficodfd

Esse é apenas um exemplo da extrema astúcia de López Obrador em se conectar com os mexicanos comuns: onde os analistas e tecnocratas veem obsessões irracionais, ele vê uma oportunidade de atrair os eleitores e consolidar o poder.

Veja o exemplo da crescente – e preocupante – militarização do México sob seu governo: sem dúvida, é uma ameaça à democracia, à liberdade e à transparência o fato de os militares terem concentrado tanto poder e estarem envolvidos em operações importantes que deveriam ser conduzidas por civis.

No entanto, estima-se que 58% dos mexicanos confiam nas Forças Armadas, a terceira maior margem entre os países latino-americanos, o que dá a López Obrador o apoio político para seguir essa política controversa.

A capacidade de conexão permitiu que López Obrador ocultasse algumas de suas deficiências evidentes. Isso pode muito bem explicar por que os vários escândalos que surgiram durante seu mandato (incluindo acusações de corrupção envolvendo sua família) ou um crescimento médio do PIB de apenas 1% ao ano não afetaram significativamente sua popularidade, que ainda gira em torno de 60% após quase seis anos no poder.

Seu sarcasmo realista e sua propaganda implacável – foram mais de 1.500 coletivas de imprensa diárias às 7h da manhã – ajudaram-no a chamar a atenção do público.

Leia mais: Por que Lula e López Obrador deveriam aprender a arte de pedir desculpas

Gráficodfd

Em mais uma ruptura com os pomposos presidentes mexicanos do passado, ele atribuiu mais valor a visitas a pequenos municípios na zona rural do México do que à participação nas cúpulas do G20.

E ele lucrou politicamente ao fazer de suas lutas aparentes e reais com os ricos e poderosos o centro de sua liderança. Uma melhora nos indicadores de pobreza e, o que é mais importante, o desemprego mais baixo já registrado completam um quadro favorável para sua base da classe trabalhadora.

Até mesmo os investidores internacionais caíram em sua estranha combinação de populismo social com austeridade fiscal, resultando em seis anos de estabilidade financeira – o peso mexicano se valorizou cerca de 20% em relação ao dólar durante sua presidência, tornando López Obrador o primeiro líder mexicano em mais de 100 anos a deixar o poder com uma moeda mais forte.

Embora a maior parte da força dessa moeda seja decorrente de fortes fluxos de remessas e altas taxas de juros reais locais, ainda assim é uma grande conquista.

Leia mais: Brasil, México e Chile elevam tarifas sobre aço da China após ‘invasão’ do mercado

Gráficodfd

Nada disso significa ignorar o fracasso de muitos aspectos da presidência de López Obrador e o pesado fardo que ele passa para seu sucessor: os mexicanos não estão mais seguros do que há seis anos; o país ainda enfrenta os mesmos problemas históricos de corrupção, má prestação de serviços públicos e escassez do Estado de Direito.

Isso fica evidente na diferença entre o índice de aprovação pessoal de López Obrador e a rejeição que ele recebe quando as pesquisas perguntam sobre políticas específicas.

O enorme déficit fiscal planejado para este ano (o mais alto desde a década de 1980), combinado com a péssima situação financeira da empresa petrolífera nacional Pemex, soma-se à longa lista de problemas que o próximo ou a próxima presidente precisará apagar – além de outros problemas não menos complexos, como o crescente negócio do narcotráfico, os fluxos migratórios descontrolados e a grave escassez de energia, água e infraestrutura que ameaçam o futuro do país como centro de investimentos.

Apesar das óbvias tendências autoritárias de López Obrador, não concordo com as opiniões extremistas que dizem que a democracia do México está prestes a acabar – em parte porque o grave déficit democrático do país não é novo.

No entanto, como diz o comentarista político Javier Tello, López Obrador age como aqueles astros do esporte que levam os limites ao máximo, explorando todas as regras e intimidando rivais e árbitros para obter todas as vantagens possíveis a seu favor.

“Ele é um maximalista em um país com uma longa tradição de políticos que negociam quid-pro-quos e tendem a evitar conflitos”, disse-me Tello. “Essa estratégia rendeu bons resultados”.

Leia mais: Remessas crescem na América Latina e criam nova perspectiva para economias locais

As ameaças de López Obrador de eliminar os freios e contrapesos, incluindo o enfraquecimento da autoridade eleitoral e de outros órgãos independentes, também permitiram que ele mantivesse sua retórica de “nós contra eles”, mesmo sabendo cinicamente que era improvável que tivessem sucesso.

No entanto, essas táticas polarizadoras e abrasivas também levaram ao renascimento da oposição, que, como resultado, provavelmente será mais competitiva nesta eleição.

Os rivais de López Obrador argumentam, não sem razão, que a continuidade do partido Morena faz parte de um projeto hegemônico. Essa mensagem ressoa em parte do eleitorado e pode ser um ponto fraco para Sheinbaum entre os eleitores urbanos e de classe média.

À medida que a saída de López Obrador se aproxima, fica claro que ele terá o lugar nos livros de história que tanto buscou, embora talvez mais por seus meios controversos que por suas conquistas.

Quem for eleito no domingo seria sábio se diminuísse a retórica do conflito permanente e começasse a construir pontes entre o governo e a oposição. Simplesmente ainda há muito trabalho a ser feito para que o México tenha sucesso.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Juan Pablo Spinetto é colunista da Bloomberg Opinion e cobre negócios, assuntos econômicos e política da América Latina. Foi editor-chefe da Bloomberg News para economia e governo na região.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

CEO da Volkswagen tem pressão crescente para alavancar vendas de elétricos

Como Trump conquistou apoio de bilionários de Wall St mesmo com processos na Justiça

Hertz busca capital após prejuízo com aposta em carros elétricos, dizem fontes

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *