Fale Conosco

Notícias

Custo diário de US$ 269 milhões em guerra afeta economia de Israel

Carros israelenses queimados em Kfar Aza, onde ocorreu a insurreição do Hamas em 7 de outubro.

A atual guerra em Israel está gerando impactos significativos na economia do país, com custos estimados em pelo menos um bilhão de NIS (novo shekel israelense) ou US$ 269 milhões por dia. O cenário econômico é projetado pela agência de classificação global Moody’s, com base em dados preliminares do Ministério das Finanças.

De acordo com a Moody’s, o custo total da guerra pode atingir entre NIS 150 bilhões e NIS 200 bilhões, representando aproximadamente 10% do Produto Interno Bruto (PIB). Essa cifra é substancialmente maior do que os custos diretos de operações anteriores, como a Protective Edge em 2014 ou a Segunda Guerra do Líbano em 2006.

Os gastos do governo durante o conflito incluem despesas significativas em defesa para sustentar o esforço militar, pagamento de salários para centenas de milhares de reservistas convocados, compensações para empresas afetadas pela guerra, além de esforços de reconstrução de comunidades atingidas pelos recentes ataques.

A Moody’s destaca que as receitas fiscais, principalmente provenientes do consumo, estão diminuindo, enquanto os gastos do governo continuam a crescer. A agência também observa que a economia israelense depende fortemente do setor tecnológico, representando 18% do PIB e contribuindo com 50% das exportações totais. Cerca de 14% da força de trabalho atua nesse setor.

O exército israelita convocou cerca de 350 mil reservistas, o que está a perturbar as operações de milhares de empresas em todo o país. A ausência de aproximadamente 18% da força de trabalho devido à convocação de reservistas, evacuação de áreas próximas às fronteiras e cuidados com os filhos devido ao funcionamento parcial das escolas, já está exercendo pressão sobre as indústrias transformadoras e o setor de tecnologia.

Kathrin Muehlbronner, vice-presidente sênior da Moody’s, afirma que a incerteza persiste, mas o impacto econômico pode ser mais grave do que em conflitos anteriores, dependendo da duração do conflito e das perspectivas de longo prazo para a segurança interna de Israel.

Como resultado das estimativas do impacto econômico da guerra, a Moody’s revisou para baixo sua previsão de crescimento para a economia israelense em 2023, reduzindo de 3% para 2,4%. Para 2024, a agência projeta uma contração de aproximadamente 1,5%, seguida de um crescimento moderado em 2025.

Outra agência de classificação de crédito, a Standard & Poor’s (S&P), estima uma contração mais acentuada, prevendo uma queda de 5% no quarto trimestre de 2023 para a economia israelense. A S&P projeta crescimento de 1,5% em 2023, 0,5% em 2024 e um aumento mais expressivo de 5% em 2025.

O déficit orçamentário de Israel também está sob pressão, esperando-se um aumento para 3% do PIB em 2023 e possivelmente ultrapassando 7% do PIB em 2024, de acordo com a Moody’s. A agência destaca que parte dos custos orçamentários relacionados à defesa pode ser absorvida através do redirecionamento de outras despesas e do uso das reservas orçamentais, mas prevê impactos significativos nas finanças públicas.

Desde o início da guerra, Israel já levantou 30 bilhões de NIS em dívidas, incluindo 6 bilhões de NIS em dívidas denominadas em dólares nos mercados internacionais, de acordo com dados do Ministério das Finanças.

Israel opera um vasto aparato militar onde o serviço militar é obrigatório para cidadãos com mais de 18 anos. Em 2020, o país gastou 22 bilhões de dólares nas suas forças armadas, de acordo com uma base de dados compilada pelo SIPRI, um instituto de investigação centrado em conflitos e armamentos. Israel gastou cerca de 2.508 dólares per capita e destinou 12% dos gastos totais do governo à defesa.

Comparação de gastos militares entre países:

O 51o. estado americano

Os EUA são de longe o maior fornecedor de ajuda militar a Israel, fornecendo ao país um total de 3,8 bilhões de dólares em 2020, como parte de um acordo recorde de 38 bilhões de dólares ao longo de um período de 10 anos, assinado sob o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, em 2016. Anteriormente , Israel também recebeu ajuda econômica substancial dos EUA, juntamente com fornecimentos militares. À medida que Israel enriqueceu, a ajuda econômica, que começou em 1951, foi gradualmente eliminada e quase eliminada em 2007.

Em comparação, os EUA atribuíram 19 milhões de dólares em todas as formas de ajuda aos palestinianos em 2020, de acordo com a USAID, depois de a administração Trump ter suspendido a maior parte do financiamento à Autoridade Palestiniana enquanto o seu governo promovia um chamado “plano de paz” que os palestinianos denunciaram. como unilateral.

Washington também está obrigado, por suas leis internas, como a Lei de Parceria Estratégica EUA-Israel de 2014, a proteger a chamada “vantagem militar qualitativa” de Israel, o que significa que Israel deve manter a superioridade militar sobre os seus vizinhos regionais. A lei garante a Israel o acesso a armas avançadas dos EUA. As autoridades dos EUA também discutem regularmente vendas de defesa regional com Israel, para garantir que o seu aliado não fique militarmente em desvantagem.

Há muito que Israel é visto pelos legisladores dos EUA como um aliado para ajudar a proteger os interesses estratégicos dos EUA no Médio Oriente. Inicialmente, isto incluía a contenção da influência soviética na região. De acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso dos EUA, os fatores para o apoio militar contínuo a Israel incluem interesses estratégicos partilhados, “apoio interno dos EUA a Israel” e “um compromisso mútuo com os valores democráticos”.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *