Fale Conosco

Notícias

“Filme sobre amor e solidariedade”

Um dos principais filmes nacionais de 2024 chega aos cinemas nesta quinta-feira (25). “Nosso Lar 2: Mensageiros”, continuação do longa de 2010, estreia com a expectativa de atrair um grande público. Há 13 anos, mais de quatro milhões de pessoas prestigiaram a produção inspirada na obra de Chico Xavier.

Mensageiros contará a história de três pessoas que falharam em suas missões espirituais na Terra. Quando planejaram a vida e o projeto que pretendiam realizar, estavam entusiasmados e cheios de coragem. Mas a vida encarnada os afasta de seus verdadeiros propósitos, e o aprendizado acaba chegando de outra forma.

Um dos protagonistas é Fernando, vivido pelo ator Rafael Sieg. Em entrevista exclusiva ao site da TV Cultura, ele revela como foi chamado para o papel e o envolvimento com toda equipe.

“Recebi o convite com um entusiasmo muito grande, diante do sucesso do primeiro filme. Quando a gente recebe um convite desse tamanho, é uma oportunidade muito grande de fazer parte de um projeto de grande bilheteria. Fiquei muito feliz e emocionado com esse chamado”, explica Sieg.

Do primeiro filme, voltam os atores Renato Prieto, que vive o protagonista André Luiz, e Othon Bastos, como Anacleto. O principal reforço para o elenco no novo longa é Edson Celulari. Sieg descreve a experiência de contracenar com grandes nomes do audiovisual do país.

“Edson Celulari é um mestre! É um cara que está fazendo teatro, cinema e televisão há muito tempo. Tem um nível de experiência altíssima, tão alta quanto a generosidade dele de compartilhar sua experiência, e compartilhar da maneira mais generosa e amorosa dentro de cena”, diz.

Experiência com o espiritismo

Um dos trunfos de Sieg para entrar no elenco e participar da produção é o contato com a religião. O ator conta que sua família dirigiu uma casa espírita no litoral norte de Santa Catarina. Além disso, frequentou um centro quando morou em Porto Alegre. Apesar de não ser um praticante, ele tem bastante conhecimento.

“Não li o livro ‘Mensageiros’, porque cheguei no filme muito próximo do período de gravações. Eu já conhecia a doutrina, já tinha lido outros livros e entendia esse universo, dessa doutrina que tem o olhar da reencarnação, o planejamento de uma vida, os desafios de estar encarnado, os desafios de estar aqui e evoluir. É sobre isso que o filme fala: vencer a nós mesmos, os nossos desafios e evoluir espiritualmente. Isso eu já entendia”, explica.

Leia também: Dakota Johnson virá ao Brasil para promover Madame Teia

Fernando, personagem de Sieg, não faz parte do núcleo espiritual do filme. Ele está no grupo da terra, com espíritos reencarnados, mas que se desviam de sua missão.

“[Meu papel] Está mais ligado a humanizar uma pessoa que tem um propósito levado do plano espiritual, mas que, aqui encarnado, não se comprometeu. Era para ser um sujeito generoso, colaborar com outros personagens e dar suporte a existência de uma casa espirita. Ele vem para terra, tem dinheiro e não se compromete a ajudar ninguém”, conta.

Evolução do primeiro filme

Em 2010, os efeitos especiais usados no filme foram elogiados por parte do público. 13 anos depois, a tecnologia avançou e a produção investiu ainda mais para os “Mensageiros”.

“Os efeitos estão belíssimos, vai encantar o público em cores, formas e luzes. O tamanho da cidade de Nosso Lar é muito mais visível. É muito mágico”, detalha.

Para a nova adaptação, Sieg acredita que o expectador irá se conectar com a beleza visual e encontrar personagens profundamente humanizados em seus desafios.

Pessoas de outras religiões conseguem ver o filme?

Mesmo sendo um filme de uma crença, Sieg acredita que qualquer pessoa possa ver o filme e se conectar com ele. Em suas palavras, o filme trata muito mais sobre amor do que dogmas religiosos.

“Um filme que fala sobre amor, sobre propósito, de generosidade, de compaixão e de solidariedade. Isso é isso permeia qualquer religião. Acho que é motivo suficiente para a gente compartilhar a ideia de ‘vamos ver um filme’ ou ‘vamos pensar sobre isso juntos’, porque isso é universal, né?”, finaliza.

Leia também: Gosling critica falta de indicações de Margot Robbie e Greta Gerwig no Oscar: “Não existe filme”

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *