Fale Conosco

Notícias

Ladrões invadem subestação de energia do metrô, roubam cabos e fazem funcionários reféns por 4 horas

Um roubo de cabos na subestação de energia de Colégio, Zona Norte do Rio, afetou a circulação da Linha 2 do MetrôRio no início da manhã desta terça-feira. Pelo menos 16 estações da Linha 2 amanheceram fechadas. A normalização do serviço aconteceu por volta das 6h25. Funcionários foram feitos reféns por cerca de 4 horas. Ninguém ficou ferido. O prejuízo foi de mais de R$ 70 mil apenas em cabos.

  • Arrecadação: MetrôRio e Cufa recebem donativos para ajudar vítimas de enchentes no Rio Grande do Sul
  • Reajuste: Passagens do metrô aumentam de R$ 6,90 para R$ 7,50

A média diária de embarque prevista para o período entre 5h e 6h20 da manhã é de 30 mil embarques nas estações da Linha 2. Destas, Pavuna é a que registra o maior fluxo de passageiros neste período, com 12 mil acessos.

Segundo a 27ª DP (Vicente de Carvalho), onde o crime foi registrado, cerca de 80 metros de fio de cobre foram roubados da subestação. O valor médio do fio é de aproximadamente R$ 900, totalizando R$ 72 mil de prejuízo à empresa.

Em depoimento à polícia, um funcionário contou que 12 criminosos entraram na subestação por volta de 1h da manhã. Eles forçaram a porta e convenceram os funcionários a abri-la, dizendo que não fariam nada contra eles. Ao menos quatro foram mantidos reféns por cerca de 4h.

A PM foi acionada somente às 5h, quando os criminais já haviam deixado o local e os reféns foram liberados. Não somente os cabos foram roubados. Segundo a polícia, os homens roubaram televisões e computadores, mas não levaram pertence das vítimas. Já o MetrôRio, em nota nesta manhã, afirma que foram roubados ferramentas, refletores, TVs, micro-ondas e itens pessoais dos funcionários.

O caso seguirá sob investigação da Delegacia de Roubos e Furtos.

Equipe da PM reforça segurança em estações do metrô de Pavuna e Colégio após roubo de equipamentos de subestação — Foto: Reprodução/PMERJ/X
Equipe da PM reforça segurança em estações do metrô de Pavuna e Colégio após roubo de equipamentos de subestação — Foto: Reprodução/PMERJ/X

A subestação Colégio, onde o roubo de cabos aconteceu, fica a pouco mais 300 metros da estação do metrô, no início da comunidade Para-Pedro, onde a Polícia Militar realiza uma operação emergencial para localizar os envolvidos, e caminho para a Ceasa (Centrais de Abastecimento do Estado do Rio de Janeiro).

O local divide muros com casas da comunidade, cujas mais altas conseguem ter vista para o terreno da subestação. Segundo um funcionário da empresa, o crime teria se estendido até por volta das 5h da manhã, horário em que as estações do metrô começam a funcionar.

Somente o muro que dá para a rua do Ceasa tem arames e aviso de fios com alta tensão. A altura varia de 3 metros, no ponto mais baixo, a 8 metros. Os muros com divisão para a comunidade não têm qualquer isolamento ou sistema de segurança.

A ocorrência se desdobrou numa operação emergencial da Polícia Militar, com equipes do 41º BPM (Irajá), na Comunidade Para-Pedro, também na Zona Norte, que fica entre os bairros de Irajá e Colégio. Os agentes estão no local e circulam em blindados e a pé. De acordo com o comando da unidade, o objetivo da ação é recuperar os materiais roubados da subestação, bem como localizar e prender os autores. Até o momento, não há registro de prisões ou apreensões na ação, que está em andamento.

O policiamento no entorno das estações de metrô nos bairros da Pavuna e Colégio foi reforçado.

A operação em Para-Pedro também conta com a equipe de demolição da PM para remoção de barricadas nas áreas de Vicente de Carvalho e Brás de Pina, para assegurar o direito de ir e vir da população, além de auxiliar na circulação de viaturas na comunidade nesta terça-feira. Imagens compartilhadas pela corporação mostram uma retroescavadeira sendo usada para tirar um bloqueio feito de concreto.

Segundo a concessionária, a Linha 2 operou provisoriamente entre Central do Brasil e Botafogo após a invasão da subestação de energia de Colégio durante a madrugada.

Por volta das 6h20, a operação na Linha 2 foi restabelecida e os terminais foram reabertos após trabalho das equipes de manutenção. As linhas 1 e 4 não foram afetadas.

Segundo o MetrôRio, apenas no ano passado foram registrados 78 furtos de cabos no sistema metroviário. Neste ano, entre janeiro e maio, foram registradas sete ocorrências de furtos do material. “Na maioria das ocorrências, o problema foi resolvido sem prejudicar o funcionamento do sistema. Porém, em determinados eventos, houve a paralisação momentânea do tráfego de trens na linha 2 devido a furtos de cabos de energia”, diz trecho da nota enviada pela concessionária.

Subestação do Metrô Rio de Colégio — Foto: Reprodução TV Globo
Subestação do Metrô Rio de Colégio — Foto: Reprodução TV Globo

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *