Fale Conosco

Notícias

Pragas devastadoras da era romana foram introduzidas por ondas de frio, segundo estudo

As ondas de frio podem ter dado início a pandemias de pragas devastadoras para os antigos romanos que mataram inúmeras pessoas, segundo uma nova pesquisa.

Leia também Tecnologia: Pele eletrônica impressa em 3D promete interação homem-máquina

O novo estudo relaciona períodos de variação climática com grandes pandemias e descobriu que as três maiores pandemias do período romano ocorreram durante algumas das ondas de frio mais abruptas e profundas já registadas.

Pode haver uma série de razões para explicar esta sobreposição, disse o co-líder do estudo Kyle Harper, historiador romano da Universidade de Oklahoma e do Instituto Santa Fé.

“Quando você agita o sistema climático, isso realmente impacta os patógenos, os ecossistemas e, acima de tudo, as sociedades humanas”, disse Harper ao LiveScience.

A pesquisa centra-se num longo núcleo de sedimentos escavados no Golfo de Taranto, o amplo golfo sob a “sola” da “bota” italiana. Esta área captura sedimentos lavados do rio Pó e de outros rios que drenam as montanhas dos Apeninos – essencialmente o coração do Império Romano, disse Harper.

A co-líder do estudo, Karin Zonneveld, paleoceanógrafa da Universidade de Bremen, na Alemanha, usou várias pistas dentro dos núcleos de sedimentos para combinar as camadas de sedimentos com anos específicos. Os principais dados vieram do vidro vulcânico nos sedimentos, que podem ser quimicamente atribuídos a erupções conhecidas.

“Várias dessas erupções são mundialmente famosas, como a erupção do Vesúvio em 79 dC que destruiu Pompéia”, disse Zonneveld à LiveScience por e-mail.

As pistas revelaram que os sedimentos se estenderam de 200 a.C. a 600 d.C., começando no final da República Romana e registrando todo o caminho até os dias finais do Império Romano. “Você tem uma visão completa do que consideramos história da Roma Antiga, começando pela República posterior”, disse Harper.

Para reconstruir a temperatura e a precipitação, a equipa recorreu a pequenos organismos chamados dinoflagelados preservados no sedimento. O ciclo de vida destes organismos é muito sensível à temperatura e à precipitação. No final e início do outono, os dinoflagelados se transformam em um estado de repouso conhecido como cisto, que pode ser preservado no registro fóssil. Como diferentes espécies têm preferências diferentes, os cientistas podem contar os tipos de dinoflagelados que prosperaram num determinado ano. Nos anos mais frios, as espécies que gostam do frio serão mais abundantes, por exemplo. Em épocas de elevada precipitação, quando a água do rio transborda para o mar transportando nutrientes adicionais, as espécies que preferem condições com elevado teor de nutrientes serão mais comuns.

Os resultados mostraram um período climático estável entre 200 e 100 a.C., seguido por uma série de pulsos frios curtos. Entre 160 e 180 d.C., houve um forte período de frio. Isso coincidiu com a Peste Antonina ou a Peste de Galeno, uma pandemia trazida ao império quando os exércitos romanos retornaram da Ásia Ocidental. A doença foi causada por um patógeno desconhecido que causou sintomas como febre, diarreia e pústulas na pele. (Os especialistas acham que pode ter sido varíola ou sarampo.)

Outro período de frio ocorreu entre 245 e 275 d.C., que novamente coincidiu com uma pandemia, conhecida como a Peste de Cipriano. Os registos históricos revelam que esta doença causava vômitos, diarreia e por vezes putrefação dos membros. Novamente, os historiadores não sabem o que causou a doença, mas especulam que poderia ter sido sarampo, varíola ou algum tipo de febre hemorrágica.

Finalmente, o registo ambiental sugere outra onda de frio após 500 d.C., coincidindo com a Pequena Idade do Gelo da Antiguidade Tardia, um período de arrefecimento conhecido a partir de outros registos climáticos. Em 541 d.C., o primeiro surto de peste bubônica atingiu o oeste da Eurásia. A Peste de Justiniano, como é conhecida, foi a precursora da Peste Negra que devastaria a Europa no século XIII.

“A correlação entre os tempos em que a Europa sofria com grandes surtos de doenças infecciosas correspondentes a fases de clima frio foi impressionante”, disse Zonneveld.

Existem muitas razões pelas quais os surtos de doenças e o clima podem estar ligados, disse Harper, desde mudanças ecológicas que podem tornar mais provável a propagação de doenças animais para os humanos, até mudanças na resiliência humana. Numa sociedade agrícola como a Roma antiga, disse ele, os agricultores podem ter tido dificuldades para produzir colheitas suficientes nos períodos de frio, levando à desnutrição que deixou as pessoas susceptíveis a doenças.

O tema é interessante, disse Ulf Büntgen, professor de análise de sistemas ambientais na Universidade de Cambridge que não esteve envolvido no estudo. No entanto, há dúvidas sobre a certeza da reconstrução climática, disse ele ao Live Science.

O próximo passo para os cientistas é fazer uma comparação mais profunda dos dados do núcleo de sedimentos com outros registos climáticos e estudos arqueológicos do coração romano, disse Harper.

“Pesquisar a resiliência das sociedades antigas às alterações climáticas do passado… pode dar-nos uma melhor visão destas relações e dos desafios induzidos pelas alterações climáticas que enfrentamos hoje”, disse Zonneveld.

 

A pesquisa foi publicada na revista Science Advances e a matéria publicada em LiveScience

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *